terça-feira, 21 / 05 / 2024
25.6 C
Campina Grande
terça-feira, 21/05/2024
25.6 C
Campina Grande

Novo recurso de Ricardo ao STF não trata do indeferimento do registro de sua candidatura

Também pode querer ler

O novo recurso do ex-governador Ricardo Coutinho (PT) ao Supremo Tribunal Federal (STF) não é relativo ao indeferimento do registro de sua candidatura ao Senado pelo Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB).

Não existe ainda possibilidade jurídica de se recorrer ao STF contra a decisão do TRE-PB. Antes, é preciso que o caso seja apreciado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde se encontra no momento. O caminho não é tão curto.

Os advogados de Ricardo já requereram medida de urgência (liminar) contra o indeferimento na Paraíba visando registrar a candidatura antes das eleições. Esse recurso pode ser analisado ainda esta semana. Negando ou concedendo a liminar, ainda vai restar a análise de mérito do processo de registro, o que deverá ser discutido num recurso ordinário, que, se ainda não foi, deverá ser protocolado pelo petista.

Assim sendo, do que trata o novo recurso manejado pelos advogados de Ricardo?

O recurso protocolado no domingo, no STF, na verdade, questiona a decisão da ministra Rosa Weber, em 12 de agosto, negando liminar para suspender a inelegibilidade do ex-governador Ricardo Coutinho e a decisão do TSE tornando-o inelegível pela prática de abuso de poder nas eleições de 2014 (caso PBPrev, etc.).

No sistema do STF, a peça processual está registrada como Recurso Extraordinário com Agravo (ARE 1403356). O Agravo é exatamente contra a decisão da ministra Rosa Weber. O Recurso Extraordinário questiona a antiga decisão do plenário do TSE.

Embora os recursos no TSE e no STF, no final das contas, intentem o mesmo objetivo, que é buscar condições de elegibilidade para o ex-governador Ricardo Coutinho, são instrumentos jurídicos totalmente diferentes.

No TSE, a resposta deverá ser bem mais rápida e se restringirá a discutir ou não a manutenção da inelegibilidade de Ricardo, o que permitirá ou não o registro da candidatura. Como foi o próprio TSE que decretou a inelegibilidade, a probabilidade é que inelegibilidade seja mantida. É a lógica, não há mistério.

No recurso ao STF, embora haja um pedido de revisão da decisão da ministra Rosa Weber negando liminar para registro de candidatura, que se aproveitaria agora, o objeto é mais amplo e tenta modificar o entendimento da Justiça Eleitoral e do próprio Supremo sobre a data de contagem do prazo da inelegibilidade de 8 anos.

A maioria dos juristas avalia se tratar de um recurso de probabilidade remota, mas os advogados de Ricardo jogaram bem, já que devem forçar a análise da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), movida pelo partido Solidariedade, para discutir o assunto. Dificilmente, virá alguma decisão no curto prazo. Para as eleições do dia 2, Ricardo talvez tenha que se contentar com decisões do TSE, que tendem a barrar sua candidatura.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -

Últimas

Desenrola Brasil tem prazo de adesão prorrogado por mais 60 dias

As pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo...
- Publicidade -spot_img

Relacionados

- Publicidade -spot_img