terça-feira, 21 / 05 / 2024
25.6 C
Campina Grande
terça-feira, 21/05/2024
25.6 C
Campina Grande

Damião recebeu R$ 1,4 milhões da Câmara em reembolso por despesas médicas, diz site

Também pode querer ler

O deputado Damião Feliciano (União Brasil) foi o segundo parlamentar que mais recebeu reembolso à Câmara Federal por despesas médicas. De 2019 a julho deste ano, foram R$ 1,4 milhão devolvidos ao paraibano, segundo dados obtidos pelo Ranking dos Políticos, site que classifica os melhores e piores parlamentares de acordo com os seus trabalhos realizados no Congresso Federal.

Como parlamentar, Damião Feliciano tem direito a um plano de saúde disponibilizado pelo Poder Legislativo, pago com o dinheiro dos contribuintes e que pode ser estendido aos seus dependentes (familiares e tutelados), mas optou por utilizar serviços de saúde particulares.

Damião testou positivo para Covid-19 no início de fevereiro. Logo depois foi internado e intubado. O tratamento foi no hospital Sírio Libanês, em São Paulo. No período, a vice-governadora Lígia Feliciano, sua esposa, também contraiu a doença, foi internada, mas não em menor gravidade. A recuperação deles foi rodeada de mistérios, sem informações oficiais, ou comunicados sobre estado de saúde.

Regras da Câmara
Conforme Ato da Mesa Diretora da Câmara (89/2013), os pedidos de reembolsos são de até R$135,4 mil ao longo do mandato, bastando para isso que o segundo vice-presidente da casa aprove. Os gastos podem, ainda, serem maiores ficando a critério da aprovação da Mesa. A quantia é equivalente ao valor diário para manter cerca de 50 leitos na UTI e quase equivalente à instalação de um leito (R$ 180 mil). O preço limite do reembolso se refere a cada despesa médica justificada, mas o número de despesas que podem ser solicitadas é ilimitado.

Ainda de acordo com o Ato da Mesa, entende-se como despesas reembolsáveis: atendimento ambulatorial ou hospitalar, incluindo quimioterapia e radioterapia; exames complementares de diagnóstico; assistência domiciliar; assistência prestada por médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais; remoção para outro centro clínico, quando caracterizada a emergência ou a urgência e a inexistência de condições técnicas locais, mediante relatório circunstanciado, indicando os motivos clínicos da transferência e o tipo de remoção necessária; órteses e próteses; assistência odontológica.

Na opinião do diretor-geral do Ranking dos Políticos, Gláucio Dias, é inadequado o gasto extra com reembolsos porque os deputados já possuem diversos benefícios disponibilizados pela Câmara, além de um plano de saúde particular. “Não há necessidade dessa despesa, na qual é feita sem nenhum critério claro. Também não é adequado que haja uma liberdade por parte de um membro da Mesa Diretora em aprovar ou não os gastos. O correto é ter uma regra clara do que pode e do que não pode. Apesar, que o ideal seria nem existir esse tipo de auxílio, pois, enquanto os parlamentares usufruem, diversos cidadãos brasileiros, sem condições de pagar um convênio, estão morrendo na fila por exames e procedimentos cirúrgicos”, afirmou.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -

Últimas

Desenrola Brasil tem prazo de adesão prorrogado por mais 60 dias

As pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo...
- Publicidade -spot_img

Relacionados

- Publicidade -spot_img